sexta-feira, outubro 29, 2010

Familia

A vida dá muitas voltas, e por vezes leva-nos por caminhos nem sempre direitos, com muitas rasteiras, mas há sempre um factor predominante e incondicional, seja bom ou mau, ou seja no sentido de nos abrir os olhos ou de nos apoiar incondicionalmente. Existem dias em que estamos bem, existem outros em que estamos mal, existem outros em que nem sequer queremos que nos digam nada. É normalmente nesses dias em que estamos menos bem que acontece alguma coisa que nos leva a pensar " porque é que eu não posso ter uma família "normal" como as outras pessoas? Uma família em que todos se dêem bem e que nunca discutam. Porém logo no minuto a seguir começo a fazer contas de cabeça e percorrer esta minha curta vida, os pontos importantes, os mais chatos, os mais tristes, os mais felizes. Vem à memória aquela discussão ou repreensão por querer desistir de alguma coisa, o apoio por acabar uma fase que não correu bem, a preocupação incondicional com o bem estar, o nunca deixar cair, o estar sempre lá, e no fim de contas ao olhar para trás, acabo sempre por ter a certeza absoluta de que tenho uma família do caraças e que não a trocava por nada deste mundo. As coisas às vezes podem não correr muito bem, mas ninguém é perfeito. A única certeza que tenho é que vão estar sempre lá, e agradeço por isso.

Hasta

Patrícia

Sem comentários: