quarta-feira, outubro 26, 2011

Just Say Yes




I'm running out of ways to make you see
I want you to stay here beside
meI won't be ok and
I won't pretend I am
So just tell me today and take my hand

Please take my hand
Please take my hand

Just say yes, just
say there's nothing holding you back
It's not a test, nor a trick of the mind

Only love It's so simple and you know it is
You know it is,
yeahWe can't be to and fro like this
All our lives
You're the only way to me
The path is clear
What do I have to say to you

For Gods sake,
dear For Gods sake,
dear For Gods sake,
dear For Gods sake,
dear For Gods sake, dear

Just say yes, just say there's nothing holding you back
It's not a test, nor a trick of the mind Only love
Just say yes, coz Im aching and I know you are too
For the touch of your warm skin

As I breathe you can feel your heart beat through my shirt
This was all I wanted,

all Iwant
Its all I want
Its all I want
Its all I wantIts
all Iwant

Just say yes, just say there's nothing holding you back
It's not a test, nor a trick of the mind Only love
Just say yes, coz Im aching and I know you are too
For the touch of your warm skin
As I breathe you in

terça-feira, outubro 25, 2011

Pele

há alturas em que queremos falar, gritar, em que por mais que tentemos não conseguimos mais guardar o que durante muitos anos nos tem magoado. Muitas das vezes damos por nós a pensar e "se"...
Se tivesse tido coragem, seria tudo diferente?
Se tivesse arriscado, onde estaria?
se tivesse dito amo-te noutra altura, estaria onde estou agora?
se, se...
se pudesse gritar agora era o que diria...




Fechaste as portas do teu mundo,
na esperança de ele se encontrar,
vais contando o tempo quase ao segundo,
parece não querer passar,

Faz de conta que está tudo bem,
e andas ás voltas quando estás a sós;
gritos mudos que só tu entendes,
o profundo silencio que é a tua voz.

Não precisas de te esconder,
ninguém te vai encontrar,
o que está escrito na tua pele,
só tu para o decifrar,

REFRAO:
Num quadro teu, traço a pincel,
a história da tua vida,
escrita, sentida, tatuada na pele.
Quem lá, escreveu, com a tua permissao,
Nem sequer, nem sequer percebeu,
e perdeu, passou-lhe a pele por entre as mãos. (x2)

Finalmente...


Já está. Finalmente. Agora é só comprar. Aguardo a minha cópia ansiosamente, e autografada que isto de ser da familia tem as suas vantagens.
Agora digam lá se não é para estar orgulhosa???
Hasta

domingo, outubro 23, 2011

Quem espera...


Sai a 17 de Novembro.
Daniel Sempere e seu amigo Fermín estão de volta. Se for tão bom como os outros...
Estou à espera.
Ainda estamos em Outubro...

sábado, outubro 22, 2011

Hoje é assim..



I let it fall, my heart,
And as it fell you rose to claim it.
It was dark and I was over,
Until you kissed my lips and you saved me.
My hands, they were strong, but my knees were far too weak,
To stand in your arms without falling to your feet,
But there’s a side to you that I never knew,never knew.
All the things you'd say, they where never true, never true,
And the games you'd play, you would always win, always win.

[Chorus:]
But I set fire to the rain,
Watched it pour as I touched your face,
well it burnt while I cried,
Cause I heard it screaming out your name, your name!

When I lay with you I could stay there,
Close my eyes, feel you here forever,
You and me together, nothing is better!
Cause there’s a side to you that I never knew, never knew,
All the things you'd say they where never true, never true,
And the games you'd play, you would always win, always win.

[Chorus:]
But I set fire to the rain,
Watched it pour as I touched your face,
well it burnt while I cried,
Cause I heard it screaming out your name, your name!
but I set fire to the rain
and I threw us into the flames
well it felt something died
Cause I knew that that was the last time, the last time!

Sometimes I wake up by the door,
that heart you caught must be waiting for ya.
Even now when we're already over
I can’t help myself from looking for ya

[Chorus:]
I set fire to the rain,
Watched it pour as I touched your face,
well it burnt when I cried,
Cause I heard it screaming out your name, your name
I set fire to the rain,
and i threw us into the flames
Cause I knew that that was the last time, the last time.

quarta-feira, outubro 19, 2011

Asas nos pés




A Mafalda e o José adoram. Vibram cada vez que ouvem a música. Confesso que também gostava de ter asas nos pés, para poder voar...
Por eles, e tmbém por mim, compartilho esa música belisma...

Bejos

quarta-feira, outubro 12, 2011

sábado, outubro 08, 2011

x 3 para a paz...


Houve 241 candidaturas para o Nobel, no fim foram distinguidas três. Segundo o comité, a luta não violenta deste trio em favor da segurança das mulheres e dos seus direitos de participarem no processo de paz são exemplos para toda a humanidade

Ellen Johnson Sirleaf

Há cinco anos, Ellen fez história como a primeira mulher eleita presidente no continente africano, à frente da Libéria. Desde que assumiu funções, a economista, que se formou na Universidade de Harvard, luta contra a corrupção e por profundas reformas institucionais na mais antiga república da África subsariana, fundada em 1847 por escravos libertados dos EUA. Este combate, do qual resulta a alcunha “dama de ferro”, valeu-lhe a detenção por duas vezes. No seu país, Ellen, que já ocupou o cargo de ministra das Finanças e trabalhou na ONU e no Banco Mundial, não agrada a toda a gente. Se por um lado é considerada reformista e pacifista, por outro é bastante criticada por não cumprir as suas promessas nas áreas sociais da economia e, sobretudo, de não ter estado mais empenhada a favor da reconciliação nacional. Mesmo assim, a mãe de quatro filhos e avó de oito netos vai na próxima semana recandidatar-se às eleições presidenciais na Libéria. Aos 72 anos, Ellen recebe o prémio Nobel por ter promovido o desenvolvimento económico e social na Libéria, por reforçar o lugar das mulheres no mundo e, ainda, por garantir a paz no seu país.

Leymah Gbowee

Leymah Gbowee, compatriota de Ellen Johnson Sirleaf, é uma militante pacifista que teve um papel fulcral no fim da segunda guerra civil na Libéria. Depois de ter participado em movimentos antiviolência, a liberiana de etnia Kpellé passou a ser conhecida a nível internacional como a “guerreira da paz”. Contra a guerra, a africana que tirou o curso de assistente social recorreu à oração, fazendo com que muitas mulheres liberianas seguissem o seu exemplo. Para além disso, conseguiu que cristãs e muçulmanas, frequentemente vestidas de branco, se unissem sem distinção de religião, ajudando assim a garantir os seus direitos políticos. O movimento expandiu-se durante o conflito (guerra civil) até à convocação de uma greve de sexo, o que forçou o regime a associá-las às negociações de paz – o que, mais tarde, levou mesmo ao fim da guerra. Conhecida no seu país como “uma mulher de coragem”, Leymah Gbowee vive actualmente no Gana e é mãe de seis filhos. Aos 40 anos recebe o prémio Nobel da Paz por toda a sua luta pacífica em defesa da segurança das mulheres e dos seus direitos na participação total no trabalho de construção da paz.

Tawakul Karman

Tawakul Karman é a primeira mulher árabe a ser distinguida com um prémio Nobel da Paz. A liberdade de expressão, a libertação dos presos políticos, os direitos das mulheres e o afastamento do presidente do Iémen são os principais objectivos da activista. A iemenita faz parte do principal partido islâmico do Iémen, Al-Islah, e ainda detém o cargo de presidente na organização Mulheres Jornalistas Sem Correntes, um grupo que defende a liberdade de expressão. Para além disso, a jornalista agora galardoada mantém uma participação importante na chamada “Primavera Árabe”, um movimento pró-abertura democrática que tem vindo a “sacudir” politicamente vários países do mundo árabe.
Detida já várias vezes pelas forças do regime, esta mãe de três filhos encontrou nas revoltas populares do Egipto e da Tunísia novas forças para protestar, liderando manifestações pacíficas semanais na Universidade de Sanaa.
Aos 32 anos, Tawakul é galardoada com o prémio Nobel da Paz devido ao seu papel, mesmo “nas mais difíceis circunstâncias”, na luta pelos direitos das mulheres, a democracia e a paz no Iémen.
retirado daqui

terça-feira, outubro 04, 2011

É assim...






Explica tudo... retirei daqui, mas sem dúvida explica muita coisa...

Enfim... fazer o quê??

Bejos...

Hasta