sábado, outubro 08, 2011

x 3 para a paz...


Houve 241 candidaturas para o Nobel, no fim foram distinguidas três. Segundo o comité, a luta não violenta deste trio em favor da segurança das mulheres e dos seus direitos de participarem no processo de paz são exemplos para toda a humanidade

Ellen Johnson Sirleaf

Há cinco anos, Ellen fez história como a primeira mulher eleita presidente no continente africano, à frente da Libéria. Desde que assumiu funções, a economista, que se formou na Universidade de Harvard, luta contra a corrupção e por profundas reformas institucionais na mais antiga república da África subsariana, fundada em 1847 por escravos libertados dos EUA. Este combate, do qual resulta a alcunha “dama de ferro”, valeu-lhe a detenção por duas vezes. No seu país, Ellen, que já ocupou o cargo de ministra das Finanças e trabalhou na ONU e no Banco Mundial, não agrada a toda a gente. Se por um lado é considerada reformista e pacifista, por outro é bastante criticada por não cumprir as suas promessas nas áreas sociais da economia e, sobretudo, de não ter estado mais empenhada a favor da reconciliação nacional. Mesmo assim, a mãe de quatro filhos e avó de oito netos vai na próxima semana recandidatar-se às eleições presidenciais na Libéria. Aos 72 anos, Ellen recebe o prémio Nobel por ter promovido o desenvolvimento económico e social na Libéria, por reforçar o lugar das mulheres no mundo e, ainda, por garantir a paz no seu país.

Leymah Gbowee

Leymah Gbowee, compatriota de Ellen Johnson Sirleaf, é uma militante pacifista que teve um papel fulcral no fim da segunda guerra civil na Libéria. Depois de ter participado em movimentos antiviolência, a liberiana de etnia Kpellé passou a ser conhecida a nível internacional como a “guerreira da paz”. Contra a guerra, a africana que tirou o curso de assistente social recorreu à oração, fazendo com que muitas mulheres liberianas seguissem o seu exemplo. Para além disso, conseguiu que cristãs e muçulmanas, frequentemente vestidas de branco, se unissem sem distinção de religião, ajudando assim a garantir os seus direitos políticos. O movimento expandiu-se durante o conflito (guerra civil) até à convocação de uma greve de sexo, o que forçou o regime a associá-las às negociações de paz – o que, mais tarde, levou mesmo ao fim da guerra. Conhecida no seu país como “uma mulher de coragem”, Leymah Gbowee vive actualmente no Gana e é mãe de seis filhos. Aos 40 anos recebe o prémio Nobel da Paz por toda a sua luta pacífica em defesa da segurança das mulheres e dos seus direitos na participação total no trabalho de construção da paz.

Tawakul Karman

Tawakul Karman é a primeira mulher árabe a ser distinguida com um prémio Nobel da Paz. A liberdade de expressão, a libertação dos presos políticos, os direitos das mulheres e o afastamento do presidente do Iémen são os principais objectivos da activista. A iemenita faz parte do principal partido islâmico do Iémen, Al-Islah, e ainda detém o cargo de presidente na organização Mulheres Jornalistas Sem Correntes, um grupo que defende a liberdade de expressão. Para além disso, a jornalista agora galardoada mantém uma participação importante na chamada “Primavera Árabe”, um movimento pró-abertura democrática que tem vindo a “sacudir” politicamente vários países do mundo árabe.
Detida já várias vezes pelas forças do regime, esta mãe de três filhos encontrou nas revoltas populares do Egipto e da Tunísia novas forças para protestar, liderando manifestações pacíficas semanais na Universidade de Sanaa.
Aos 32 anos, Tawakul é galardoada com o prémio Nobel da Paz devido ao seu papel, mesmo “nas mais difíceis circunstâncias”, na luta pelos direitos das mulheres, a democracia e a paz no Iémen.
retirado daqui

Sem comentários: